Começa no pré-natal. A mãe deve receber informações necessárias de como reconhecer as contrações e a hora de ir para o hospital.

Os métodos psicoprofiláticos – os mais conhecidos são Bradley, Lamaze e Hipnobirth –, desenvolvidos especialmente nos Estados Unidos, treinam a respiração para o relaxamento e a concentração da gestante na hora do parto. Desta forma, a mãe se sente segura e sentirá menos dor.

No Brasil, o chamado “parto sem dor” é feito com a aplicação de anestesia raquianestesia ou peridural, que alivia ou até inibe a dor no período de dilatação e contrações. Mas isso não quer dizer que o parto será 100% sem dor, porque durante o período de dilatacao algumas sensações são necessárias para que a mãe tenha uma atitude pro-ativa e perceba o momento de empurrar o bebê para fora no momento do período expulsivo.

Entretanto, existe o risco de perda excessiva de sensibilidade, o que resulta na perda de controle da mãe sobre o parto. Alguns médicos aplicam a anestesia apenas nos momentos finais, quando o bebê está saindo do útero, uma alternativa que deveria, sempre que possível, ser adotada.

Veja:

Parto Leboyer ou Nascimento sem violência
Parto normal (ou vaginal)
Parto natural
Parto cesárea (ou cesariano)
Parto de cócoras ou parto das índias
Parto na água
Parto a fórceps

Compartilhe

Facebooktwittergoogle_plusmailFacebooktwittergoogle_plusmail

Temas